6 conselhos para uma boa gestão de marca

Conrad Llorens

6 conselhos para uma boa gestão de marca

A gestão de uma marca é um processo complexo e global. Por esta razão, muitas empresas falham na implementação das suas estratégias de marca, tanto ou mais do que na definição das mesmas.

Muitas vezes, confundimos gerir uma marca com levar a cabo o lançamento da mesma ou planear e executar ações de marketing e comunicação, quando é muito mais do que isso. Para desenvolver todo o potencial de uma marca e conseguir mantê-lo ao longo do tempo, é necessário ter um modelo de gestão adequado que incorpore pelo menos seis aspetos-chave:

  1. Direção estratégica

O primeiro passo de uma boa gestão de marca é definir corretamente onde se quer chegar através de um plano.

Passos imprescindíveis:

  • Definir objetivos claros e um plano estratégico de 3 a 5 anos que indique como vão ser alcançados os referidos objetivos.
  • Definir a plataforma de marca de forma exata e rigorosa, contemplando, no mínimo, o propósito, a proposta de valor e a personalidade da marca, incluindo dados do negócio, de mercado e de clientes, que permitam definir propostas legítimas e viáveis.
  • Determinar os indicadores que nos informarão sobre a evolução da marca em relação aos objetivos definidos e para não ficar atrás da concorrência.
  • Criar os mecanismos que nos permitam atualizar ou rever a estratégia de marca definida anteriormente e antecipar mudanças que possam acontecer.
  1. Organização da responsabilidade e função de gestão de marca

Muitas vezes, as empresas não gerem bem as suas marcas porque não existem equipas com essa responsabilidade específica.

Neste sentido:

  • Deve existir um responsável de gestão da marca que assuma funções, papéis e responsabilidades claramente definidos, e que, além de uma visão a médio prazo, tenha também uma visão transversal da organização.
  • É importante contar com um comité de marca onde sejam discutidos, periodicamente, os aspetos fundamentais da marca e da sua evolução, tanto interna como externa. Em função das características da empresa, pode ser necessário contar com embaixadores de marca, pessoas que fazem com que o espírito da marca esteja presente na sua esfera de influência na organização.
  • E, em qualquer caso, dispor de recursos suficientes, tanto humanos como económicos, e de sistemas de gestão profissionais, como por exemplo um Brand Center.
  1. Processos de gestão

Para além das pessoas e funções que assumem a responsabilidade pela gestão da marca, é imprescindível que as empresas disponham de protocolos claros e definidos neste âmbito.

Resumindo:

  • Ter protocolos definidos para a tomada de decisões, tanto práticos como de gestão.
  • Contar com manuais e guias para a sua implementação, por áreas e projetos. Este roteiro permite realizar uma execução coerente e coordenada entre departamentos, assim como uma supervisão adequada e objetiva.
  • Da mesma forma, ter métricas para avaliar os resultados da melhor maneira possível e detetar possibilidades de melhoria (o share of voice e o share of value são apenas duas delas, cada projeto deve definir as mais adequadas).
  • Implicação, coordenação e alinhamento das práticas com outros departamentos.
  • Prioridades e controlos de gestão e execução (roteiros estabelecidos por projeto).
  • Rentabilidade de marca, acompanhamento de métricas e tabelas de resultados definidas.creatividad branding gestión de marca
  1. Liderança e cultura

Nenhuma empresa pode construir uma marca forte se as pessoas que integram a organização não partilharem os princípios que a inspiram e não agirem de acordo com estes no dia a dia.

Porém, isto não acontece espontaneamente: para construir uma cultura de marca robusta tem de haver uma liderança de marca na organização que permita garantir que:

  • Existe uma cultura de marca definida, que é partilhada e transmitida;
  • As pessoas conhecem, partilham e atuam de acordo com a marca;
  • Existem programas de formação e workshops sobre a marca;
  • Idealmente, deveriam ser implementados sistemas de remuneração vinculados ao desempenho da marca.
  1. Relações com os grupos de interesse

No fundo, as marcas constroem-se com base nas experiências que geram na interação com os seus públicos. Assim, num programa de gestão ou de administração de marca não podem faltar dados e sistemas que avaliem a qualidade desta interação.

Alguns exemplos:

  • Relatórios de sentimento de marca;
  • Controlo de métricas de relação e comunicação;
  • Imagem percebida, saúde e força de marca;
  • Dados de conversão (funnel);
  • Índice de satisfação, tanto interno (trabalhadores) como externo (clientes);
  • Sistemas de medição da qualidade da experiência de marca em toda a customer journey;
  • Relação com investidores.
  1. Riscos que têm impacto na marca

A gestão de um ativo intangível de primeira ordem, como é o caso da marca, deve contar com um sistema de gestão de riscos que permita identificá-los, avaliá-los e mitigar a sua possível ocorrência e consequências, e assim dissipar futuros problemas económicos para além do seu impacto na reputação.

  • Identificação de riscos.
  • Avaliação de riscos.
  • Mitigação de riscos.
  • Monitorização de riscos.
  • Comunicação, implicação e relatório de riscos de marca.

De qualquer forma, a gestão de uma marca num contexto variável e volátil, como o que vivemos atualmente, deve ser um processo dinâmico, razão pela qual, tanto o próprio modelo como os diferentes elementos que este contempla devem ser avaliados periodicamente. Assim, poderá verificar se continuam a ser relevantes para a marca ou não e incorporar novos aspetos que possam ser necessários em cada fase, para garantir uma gestão eficaz e bem-sucedida da marca.

Ebook Requisitos Estratégia de marca - Summa Branding

Anterior Seguinte

E você, o que você acha?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *