Ações de marketing que cada vez mais se consolidam em orçamentos de marca

Isabel Santomé

Ações de marketing que cada vez mais se consolidam em orçamentos de marca

As ações de marketing permitem gerar impacto, notoriedade e vendas. Mas também podem contribuir para construir uma marca se se inspirarem na estratégia de branding.

Alguns factos:

  • Em 2017, e de acordo com a Análise de Investimento em Marketing em Espanha (AMES), o investimento em ações de marketing em Espanha cresceu 4%, chegando aos 31.794 milhões de euros.
  • A publicidade, a comunicação e a promoção foram os itens aos quais foram alocados orçamentos mais elevados.
  • Existem cada vez mais novos tipos de ações de marketing que se consolidam nos orçamentos.
  • A maioria das novas tendências de marketing está enquadrada no chamado marketing digital que, segundo o estudo AMES, já era a área que mais cresceu em 2017. Um crescimento de 7,6%, atingindo os 2.281 milhões, especialmente no que toca ao investimento em redes sociais.

Estes são 5 exemplos das novas ações de marketing que se popularizaram em 2019:

Data email marketing

Os avanços em data science, machine learning e inteligência artificial aumentaram consideravelmente o nível de conhecimento relativo aos públicos de interesse, permitindo realizar novos conteúdos muito mais personalizados. Esta prática melhorará as taxas de abertura e a percentagem de conversão. Uma tendência que também favorecerá a nova lei RGPD (Regulamento Geral de Proteção de Dados). Esta legislação diminuirá as bases de dados, mas melhorará a sua qualidade ao centrar-se em clientes ou potenciais clientes realmente interessados nos nossos conteúdos.

Machine learning webs

O conhecimento referente aos nossos públicos de interesse está a afetar também as ações de marketing na internet, permitindo mostrar campanhas mais compatíveis com cada utilizador. O The New York Times, a rede ESPN e o USA Today colocaram em marcha uma ideia pioneira chamada Project feels. Esta tecnologia permite prever que impacto emocional o conteúdo que está na web terá sobre o utilizador, o que permite mostrar anúncios de acordo com esse estado de espírito.

Ações de marketing de voz

Com a chegada e previsível ascensão de assistentes como a Alexa da Amazon ou a alta voz do Google, as equipas de marketing estão a desenvolver novos formatos. Bem como ações também relacionadas com a forma de estar e os interesses dos seus utilizadores a partir dos dados recolhidos através do uso destes assistentes.

Vídeos e mais vídeos em apps e em private market places

Embora não se trate exatamente de uma nova ação de marketing, irá consolidar-se o uso dos vídeos em apps. Depois do Snapchat, seguiram-se o Instagram, o WhatsApp, o Facebook e até o YouTube. Passou-se de uma ferramenta eminentemente usada por utilizadores para ser um instrumento das marcas. Além disso, e dentro da publicidade programática, crescerá o investimento em vídeos nos private market places.

Experiência, gamification e comunidades graças à relevância dos dados

Para além do âmbito online, o retalho concentrar-se-á em melhorar a experiência da marca. Fará uso de técnicas como a personalização e a gamification do produto, serviço ou marca em espaços offline. Irá também oferecer um produto e uma experiência de compra em lojas mais agradáveis e personalizadas, usando os dados dos utilizadores.

  • A primeira demonstração desta ação é a Live Store da Nike em Los Angeles, apenas para membros Nike Plus. Com a ideia de desenvolver um sentimento de comunidade e de exclusividade, serão disponibilizados os produtos mais visitados ou consumidos pelos utilizadores desta app (personalização), oferecendo ainda uma série de serviços acessíveis através da app (gamification).
  • A tecnologia também deixará a sua pegada em ações de marketing como o street marketing. Por exemplo, o mobiliário urbano permite anúncios inteligentes que mudam em função do clima.
  • Ou o marketing de influencers em que se passará a utilizar data para evitar a chamada fraude dos influencers. De acordo com um estudo da agência nova-iorquina Captiv8, campanhas de perfis falsos provocaram a perda de mais de 200 milhões de dólares a marcas.
  • Ou também em ações baseadas em blockchain.
  • Em contrapartida, haverá uma aposta no detox digital, como sugeriram os anúncios de Natal da Ruavieja ou do IKEA.

 

Javier Gómez, Diretor de Marca e Experiência de Cliente da GfK, assegurava numa entrevista que: “Posso esquecer algo que me digam, mas nunca esquecerei aquilo que me fazem sentir, a resposta é o marketing experiencial. Criar situações imersivas é a melhor resposta a um consumidor cada vez mais conectado.”

Ainda que estas sejam as tendências para este ano, existem tantas teorias de marketing como objetivos de marca. A chave é:

  • adequar-se à estratégia;
  • inovar para continuar a contar com a lealdade do seu público;
  • procurar novas fontes e métodos para transmitir os significados da marca, gerar notoriedade e fidelizar o cliente.

As previsões de futuro referentes ao investimento em marketing e publicidade da AMES falam de uma desaceleração. Conseguirão as novas técnicas aumentar o investimento?

New call-to-action
Anterior Seguinte

E você, o que você acha?